Resenhas

Inventei você?, de Francesca Zappia

Oi, gente, eu [Lua] de volta.

Fui coagida a fazer outra resenha, porque o livro tinha uma capa linda e continha a minha fraqueza: doenças mentais. A patologia retratada no livro é a Esquizofrenia Paranóide – não é spoiler, eu prometo, a protagonista sabe disso desde criança. Como tenho que vender meu peixe, vou explicar um pouco dessa doença. A esquizofrenia é a desestruturação do eu com a realidade, o que quer dizer na prática que a pessoa pode ver, sentir, ouvir coisas que não existem e isso interfere na sua relação com a sociedade.

Às vezes, acho que as pessoas tomam a realidade como algo certo.

p. 19

Título: Inventei você?

Autor: Francesca Zappia

Editora: Verus Editora

Páginas: 350

Ano: 2017

Adicionar: Skoob

Comprar: Amazon | Saraiva

Alex está no último ano do ensino médio e trava uma batalha diária para diferenciar realidade de ilusão. Armada com uma atitude implacável, sua máquina fotográfica, uma Bola 8 Mágica e sua única aliada — a irmã mais nova —, ela declara guerra contra sua esquizofrenia, determinada a permanecer sã o suficiente para entrar na faculdade.

E Alex está bem otimista com suas chances, até se deparar com Miles. Será mesmo aquele garoto de olhos azuis com quem ela compartilhou um momento marcante no passado? Mas ele não tinha sido produto da sua imaginação?

Antes que possa perceber, Alex está fazendo amigos, indo a festas, se apaixonando e experimentando todos os ritos de passagem tipicamente adolescentes. O problema é que ela não está preparada para ser normal.

Engraçado, provocativo e emocionante, com sua protagonista nada confiável, Inventei você? vai fazer os leitores virarem as páginas alucinadamente, tentando decifrar o que é real e o que é invenção de Alex.

Inventei você
Inventei você?, de Francesca Zappia.

Então, a história conta um período da vida de Alex, que soube que tinha Esquizofrenia com 7 anos e foi diagnosticada com 13. Isto mudou toda a vida dela, as relações familiares e outras no geral. Ela conheceu um garoto quando criança, mas achou depois que era uma alucinação. Quando ela tem que trocar de escola ela o reencontra, resta saber se ele e as outras situações são reais. Pra tentar diferenciar ela usa uma câmera, fotografando tudo pra se certificar de que as coisas estão lá. Nessa nova escola, além das dúvidas de o que existe ou não, ainda existem intrigas, romance, e um mistério.

Pra mim foi um livro de leitura fácil e rápida, mas a personagem principal me trouxe um sentimento de humor trágico, porque já é difícil viver tendo – mais ou menos – certeza do que existe, imagina estar em dúvida toda hora. Pelo que eu li, a autora se baseou em documentários e pesquisa, mas não sei dizer se é um relato fiel de comportamentos de alguém com essa patologia. Ainda assim, acredito ser um bom pontapé para as pessoas se conscientizarem sobre doenças mentais, já que além de não ter cura, só tratamento, também trazem estereótipos sociais pesados que influenciam, muitas vezes negativamente.

Inventei você e Alucinadamente feliz
Indicação: Alucinadamente feliz, de Jenny Lawson.

Como você reagiria se alguém que você conhece lhe dissesse que tem alguma doença mental?

Até!


P.S. da May: Durante a revisão da resenha, o Vlaxio apontou que queria saber mais da história e da opinião da Lua. Eu também. Então, sintam-se livres para perguntar o que quiserem nos cometários, avisem se querem com ou sem spoiler. Podem ficar tranquilos que eu vou sentar a bunda da Lua na frente do computador para responder vocês. 

 

9 comentários em “Inventei você?, de Francesca Zappia”

    1. Oi, então, esses sentimentos são difíceis pq: pra ela é realidade, de acordo com os outros que não é, mas no livro é retratado ela ignorando o que ela consegue ‘perceber’ como alucinação, mas esse sintoma é diferente por que pra ela É real, ela pode sentir/ouvir/ver as coisas, e não é assim que nos certificados da nossa realidade?
      E como justificativa de não ter escrito mais sobre este tópico, esse é um ponto chave do livro, como você percebe a sua realidade e o que você faria se não pudesse mais confiar nisso?
      Obrigada pela pergunta e leia o livro que é uma experiência ótima 🙂

      Curtir

  1. Já é complicado qdo se é “normal” imagine com um distúrbio, a Alex deve ter sofrido bastante pois o mundo é bastante preconceituoso. Quero saber um pouco sobre os pais dela pois vc nada disse sobre eles, somente da irmã e aceito spoiler.

    Curtir

    1. Olha é outro ponto chave do livro, Alex tem uma relação difícil com a mãe e o pai dela é arqueólogo ou historiador, algo assim, o que é um forte indicativo do tipo de delírio que ela tem. O pai passa a maior parte do tempo fora e a mãe tem muita dificuldade pois a Alex vê coisas que não existem então se comporta diferente dos outros, inclusive em público e isso trás o estigma da doença. Família já é um troço complicado, imagine com uma patologia dessas? Isso afeta à todos e dentro desse aspecto tem um dos mistérios do livro.
      Obrigada pela pergunta, se quiser saber mais é só perguntar.

      Curtir

  2. Que capa linda!
    Gosto muito de livros abordem discussões mais complexas. Li essa semana sobre um outro livro que a personagem tambem sofria de esquizofrenia. Quando eu lembrar o nome conto rs.
    Bom, vou dar uma olhada nos valores dos dois.
    Lua, Spoiler jamais!
    Beijos de luz!

    Curtir

  3. De médico e de louco, todos temos um pouco. Navegar pela sanidade ou através da ausência dela, é percorrer uma fronteira assustadoramente fina e indefinida, como as fronteiras da realidade de Eduardo Spohr, na sua trilogia épica.
    A realidade? Ora, a realidade…….A Lua Medeiros diz isso com muita propriedade….Parabéns, filha…..

    Curtir

  4. Então, sou suspeita a falar…… mas vamos lá:
    Não sou chegada a ler livros de “doidos”, entretanto lendo essa resenha até me deu vontade de te pedir emprestado para saber como é viver assim.
    Vindo de vc, acredito que vc resenharia, e nos faria ler, até bula de remédio!!!!!
    Tenho plena convicção que esses treco de resenha seja um dom de família….
    To pensando seriamente em trocar de “desenhador”
    Dito isso, aguardo o livro para matar minha curiosidade

    Curtir

Gostou? Não gostou? Deixe seu comentário, vamos ficar muito felizes em respondê-lo!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s