Diário de Leitura

Diário de Leitura #04: não cumprindo as metas…

Olá, leitores!

Sabe aquela pilha de livros que eu tinha selecionado no início do mês de maio? Pois é, ela ainda existe. Como vocês puderam notar, não sou uma pessoa de seguir metas. Além disso, tenho uma péssima mania de ler coisas desnecessárias. Foi proveitoso de qualquer maneira, não sabia que estava tão descontrolada. E também gostei muito de conversar com vocês sobre as leituras a cada semana. O plano agora é tentar continuar com os diários, manter um nível de controle e conversar com vocês. E como eu fui na última semana de maio? Continue lendo “Diário de Leitura #04: não cumprindo as metas…”

Anúncios
Livros

Anne Bishop está me enlouquecendo!

Olá, leitores!

Relevem a minha desinformação, pois este é para ser um post rápido, mas instigante. Recolhi algumas informações da página da autora no Goodreads, no próprio site dela e na página dedicada a ela no site da editora Arqueiro. Não tenho competência para traduções, sorry. Preciso mesmo apresentar vocês à Anne Bishop, uma autora como nenhuma outra.

Continue lendo “Anne Bishop está me enlouquecendo!”

Lançamentos, Livros

O que teve na minha estante esse mês #12… de outubro!

O Que Teve na Minha Estante Esse Mês...

Olá, galerinha do mal!

Já estava na hora de voltar com a coluna “O que teve na minha estante esse mês…” a algum tempo! Essa coluna veio para complementar o post de lançamentos das editoras parceiras que eu faço todo mês. Se no post eu mostro todos os lançamentos, nesta coluna eu irei revelar quais me chamaram atenção e ganharam um lugar especial na minha estante. E, é claro, irei mostrar os livros que eu comprei e emprestei, sempre comentando cada detalhe das escolhas.

Livros

Preparados? Aqui vai as sinopses dos livros recebidos das editoras no mês de outubro. Lembrem-se que futuramente (essa semana) vai ter resenha aqui no blog dos livros!

Sete dias sem fim – Jonathan Tropper

“Judd Foxman pode reclamar de tudo na vida, menos de tédio. Em questão de dias, ele descobriu que a esposa o traía com seu chefe, viu seu casamento ruir e perdeu o emprego. Para completar, seu pai teve a brilhante ideia de morrer.
Embora essa seja uma notícia triste, terrível mesmo é seu último desejo: que a família se reúna e cumpra sete dias de luto, seguindo os preceitos da religião judaica.
Então os quatro irmãos, que moram em diversos cantos do país, se juntam à mãe na casa onde cresceram para se submeter a essa cruel tortura. Para quem aprendeu a vida inteira a reprimir as emoções, um convívio tão longo pode ser enlouquecedor.
Com seu desfile de incidentes inusitados e tragicômicos, Sete dias sem fim é o livro mais bem-sucedido de Jonathan Tropper. Uma história hilária e emocionante sobre amor, casamento, divórcio, família e os laços que nos unem – quer gostemos ou não.”

Mar da Tranquilidade – Katja Millay

“Nastya Kashnikov foi privada daquilo que mais amava e perdeu sua voz e a própria identidade. Agora, dois anos e meio depois, ela se muda para outra cidade, determinada a manter seu passado em segredo e a não deixar ninguém se aproximar. Mas seus planos vão por água abaixo quando encontra um garoto que parece tão antissocial quanto ela. É como se Josh Bennett tivesse um campo de força ao seu redor. Ninguém se aproxima dele, e isso faz com que Nastya fique intrigada, inexplicavelmente atraída por ele.
A história de Josh não é segredo para ninguém. Todas as pessoas que ele amou foram arrancadas prematuramente de sua vida. Agora, aos 17 anos, não restou ninguém. Quando o seu nome é sinônimo de morte, é natural que todos o deixem em paz. Todos menos seu melhor amigo e Nastya, que aos poucos vai se introduzindo em todos os aspectos de sua vida.
À medida que a inegável atração entre os dois fica mais forte, Josh começa a questionar se algum dia descobrirá os segredos que Nastya esconde – ou se é isso mesmo que ele quer.
Eleito um dos melhores livros de 2013 pelo School Library Journal, Mar da Tranquilidade é uma história rica e intensa, construída de forma magistral. Seus personagens parecem saltar do papel e, assim como na vida, ninguém é o que aparenta à primeira vista. Um livro bonito e poético sobre companheirismo, amizade e o milagre das segundas chances.”

Parceria

Ligeiramente Casados – Os Bedwyn – Livro 01 – Mary Balogh

“À beira da morte, o capitão Percival Morris fez um último pedido a seu oficial superior: que ele levasse a notícia de seu falecimento a sua irmã e que a protegesse Custe o que custar!. Quando o honrado coronel lorde Aidan Bedwyn chega ao Solar Ringwood para cumprir sua promessa, encontra uma propriedade próspera, administrada por Eve, uma jovem generosa e independente que não quer a proteção de homem nenhum.
Porém Aidan descobre que, por causa da morte prematura do irmão, Eve perderá sua fortuna e será despejada, junto com todas as pessoas que dependem dela… a menos que cumpra uma condição deixada no testamento do pai: casar-se antes do primeiro aniversário da morte dele o que acontecerá em quatro dias.

Fiel à sua promessa, o lorde propõe um casamento de conveniência para que a jovem mantenha sua herança. Após a cerimônia, ela poderá voltar para sua vida no campo e ele, para sua carreira militar.

Só que o duque de Bewcastle, irmão mais velho do coronel, descobre que Aidan se casou e exige que a nova Bedwyn seja devidamente apresentada à rainha. Então os poucos dias em que ficariam juntos se transformam em semanas, até que eles começam a imaginar como seria não estarem apenas ligeiramente casados…

Neste primeiro livro da série Os Bedwyns, Mary Balogh nos apresenta à família que conhece o luxo e o poder tão bem quanto a paixão e a ousadia. São três irmãos e três irmãs que, em busca do amor, beiram o escândalo e seduzem a cada página.”

A Herdeira das Sombras – As Joias Negras – Livro 02 – Anne Bishop

“Há 700 anos, num mundo governado por mulheres e onde os homens são meros súditos, uma profetisa viu na sua teia de sonhos e visões a chegada de uma poderosa Rainha. Jaenelle é essa Rainha. Mas mesmo a proteção dos Senhores da Guerra não impediu que os seus inimigos quase a destruíssem. Agora é necessário protegê-la até as últimas consequências.
Três homens estão dispostos a dar a vida por Jaenelle. Mas há quem seja capaz de tudo para controlar ou destruir a Rainha. Conseguirá ela cumprir seu destino como detentora do maior poder que o mundo já conheceu?”

A Viajante do Tempo – Outlander – Livro 01 – Diana Gabaldon

“Em 1945, no final da Segunda Guerra Mundial, a enfermeira Claire Randall volta para os braços do marido, com quem desfruta uma segunda lua de mel em Inverness, nas Ilhas Britânicas. Durante a viagem, ela é atraída para um antigo círculo de pedras, no qual testemunha rituais misteriosos. Dias depois, quando resolve retornar ao local, algo inexplicável acontece: de repente se vê no ano de 1743, numa Escócia violenta e dominada por clãs guerreiros.
Tão logo percebe que foi arrastada para o passado por forças que não compreende, Claire precisa enfrentar intrigas e perigos que podem ameaçar a sua vida e partir seu coração. Ao conhecer Jamie, um jovem guerreiro escocês, sente-se cada vez mais dividida entre a fidelidade ao marido e o desejo. Será ela capaz de resistir a uma paixão arrebatadora e regressar ao presente?”

e-Books

Screenshot_2014-10-28-20-58-01

Eu tinha feito a promessa de não comprar mais nada depois do estrago da Bienal. Falando nisso, eu ainda não mostrei o estrago da Bienal! Vamos resumir a 15kl de livro e a muita história para contar. Mas, com a sabedoria que eu adquiri sobre mim ao longo desses 19 anos, eu raramente cumpro promessas que envolvam menos livros.

Porém, era inevitável não comprar O Desafio de Ferro. Para quem não está antenado nas novidades, O Desafio de Ferro é o primeiro livro de cinco da série Magisterium, escrito por Cassandra Clare e Holly Black. A Editora Novo Conceito, que está publicando a série no Brasil, organizou vários eventos no país para o lançamento da série. Entao, eu tinha que ler o livro! E, sim, teve evento em Manaus organizado pelo blog Livros e Versos.

Eu acabei comprando o livro em e-book pela Amazon. Não por estar mais barato, com certeza compensava comprar o livro impresso com a pulseira na Saraiva Online, mas pela rapidez com que leio e-books. No blog, o Kem fez resenha do livro: http://wp.me/p2bY3h-x2, e na page do blog no Facebook está rolando promoção do livro: http://wp.me/p2bY3h-wW.

Beijos, e essa semana tem mais resenha!

Livros, Resenhas

#HalloweenWeek – A Filha do Sangue, de Anne Bishop

Banner de A Filha do Sangue grande

Olá,

Eu falei que o #HalloweenWeek iria ser especial, e para isso eu quis montar um dossiê do livro que mais me encantou este ano. A Filha do Sangue, primeiro volume da Trilogia das Joias Negras, foi um dos livros propostos para o evento ‘Encontro de Fãs de Literatura Fantástica’ junto ao livro A Espada de Shannara, organizado pela editora Saída de Emergência Brasil.

Enquanto que A Espada de Shannara foi uma leitura extremamente cansativa e que me rendeu um mês e meio de insistência, A Filha do Sangue foi envolvente desde a primeira linha. Envolvente talvez não seja a palavra correta, mas chocante encaixa-se melhor. Anne Bishop soube criar uma estória incrível, com personagens bem moldados, sabendo misturar sensualidade sem ter erotismo explícito e um estilo de narração que eu adoro mas com um toque diferente.

Capa de A Filha de Sangue

No mundo fantástico criado por Anne Bishop, as mulheres são o centro da sociedade, as detentoras do poder e do controle. Os homens estão – ou deveriam estar – em posição de servir por escolha própria a uma dessas mulheres. Mesmo o homem mais poderoso pode ser subjugado por elas. Este poder, que tanto as mulheres quanto os homens manifestam através de joias recebidas durante cerimônias – sendo que quanto mais escura a joia, mais poder eles têm –, os define como Sangue. Regidos por honra, dever e bondade, eles devem viver em harmonia com aqueles que não são Sangue.

Há séculos, a ambição envenenou tudo o que tinha de bom neles. Tornou os Sangue d’O Reino da Luz, Terreille – um dos três reinos desse mundo –, corrompidos. As mulheres domando os homens através de artefatos que têm o poder de escravizá-los, tirando o direito dos homens de servir a quem quiserem. E o termo ‘servir’ é bem amplo, podre e perverso em Terreille.

Sou um Senhor da Guerra dos Sangue. (…) – Você é um Príncipe dos Senhores da Guerra. Por que fazem isso com a gente, Yasi?

Porque neles não existe qualquer honra. Porque neles não existe qualquer lembrança do que é ser Sangue. (…)”

– Lucivar Yaslana (SaDiablo), p. 25.

A realização de uma antiga profecia foi vislumbrada para o futuro, A Feiticeira. Uma mulher dos Sangue, detentora de um grande poder que pode libertá-los e trazer as antigas virtudes dessa sociedade, que podem derrotar as mais fortes Rainhas – Feiticeiras que controlam Territórios em Terreille –, e conquistar todos os três Reinos.

Só que ninguém esperava que A Feiticeira começasse a trilhar esse caminho tão jovem, quando ainda pode ser influenciada e controlada por qualquer um. Jaenelle é uma menina de doze anos, doce e olhos azul-safira, que viaja entre os Reinos e tem amigos em todas as cortes. Há algo nela que encanta e atrai, há algo nela assustador e poderoso ao mesmo tempo.

Olhos antigos. Olhos vorazes. Olhos perturbados, sábios, que viam.” 

– Saetan SaDiablo, p. 49.

Enquanto Jaenelle é o ponto central da trama, os homens que querem servi-la são os protagonistas. Saetan SaDiablo, Senhor Supremo do Inferno, espera ansioso pela Feiticeira. Tem nela sua filha de alma prometida milênios atrás, além do dever de ensiná-la a Arte – que é como eles se referem ao domínio do poder. Ele ama Jaenelle e a teme em igual medida, e tem medo que seja corrompida pelo poder como as outras Rainhas.

“Sentiu o medo subir pela espinha, percorrendo suas veias.

Era poder demais. Nem mesmo os Sangue estavam destinados a deter tal poder. Nem a Feiticeira jamais controlara todo esse poder.

A verdade é que esta menina controlava. Esta jovem Rainha. A filha da sua alma.

Poderia aceitá-la. Poderia amá-la. Ou poderia temê-la. A decisão cabia a ele, e o que quer que decidisse aqui e agora seria uma decisão com a qual teria de viver.”

– Saetan SaDiablo, p. 53.

Daemon SaDiablo, O Sádico, é o mais forte macho entre os Sangue e acha que está predestinado a servir A Feiticeira como seu amante. Foi escravizado por mais de 1.700 anos pela sua perversa tia, Dorothea SaDiablo, Rainha de Hayll, que está a ponto de conquistar toda Terreille. Ele foi treinado na arte da sedução para servir as feiticeiras sob o comando de sua tia, e o único ponto fraco dele é seu irmão, Lucivar Yaslana.

” – Já não aguento ser tocado por elas. Desde… Já não suporto o toque, o cheiro, o gosto. Violaram tudo o que sou, até não me restar mais nada de puro a oferecer.”

– Daemon em conversa com Lucivar, p. 125.

Lucivar Yaslana é um eyrieno – uma raça que vive nas montanhas e tem asas. Mestiço de duas raças que se odeiam, ele tem um temperamento explosivo e por isso foi enviado para servir em uma das piores Cortes sob o comando de Dorothea. Neste primeiro livro, ele não tem tanto espaço, mas quando ele aparece é uma sequência de cenas que me deixaram vidrada.

“Havia uma única razão para comer, para se submeter ao que viria, e não era para se manter vivo.”

– Lucivar Yaslana (SaDiablo), p. 306.

A filha do Sangue é um jogo político, quem controla A Feiticeira tem O Poder. É um misto de sensualidade e crueldade. A escritora conseguiu mesclar o realismo a fantasia, temas tabus, e manter as características principais dos seus personagens.

O livro é divido em três partes, cada capítulo tem subdivisões que são narradas de diversos lugares dos Reinos. O que me surpreendeu na narrativa é que ela é em terceira pessoa, mas nunca vemos essa narração acontecendo a partir da Jaenelle e sim dos personagens que permeiam a trama. E foi essa narrativa que me fez acreditar na Jaenelle, que fez eu me encantar por ela como o personagem que está ao seu redor. Eu a amei como filha, inimiga e amante. Eu consegui, como disse antes, acreditar nela.

O importante é que se você tivesse uma estória contada em primeira pessoa por uma menina de doze anos que está passando por tudo que ela está, você teria os sentimentos dela, você teria os pensamentos ingênuos e desnecessários. Isso não acontece em A Filha do Sangue! A narrativa foi, com certeza, o diferencial. Porque neste livro eu vejo e compreendo as pessoas que podem manipulá-la. E, com toda a sensualidade dos outros personagens, eu acho que não teria conseguido me conquistar. Além de que eu pude acreditar na maturidade que a Jaenelle aparenta ter, não houve uma disfunção entre a menina e a lenda até as cenas finais.

Quando o reli essa semana, pareceu mais incrível que a primeira vez. Este será um dos livros que vou sempre indicar e falar até me cansar. A trilogia principal deu origem a mais seis livros de contos sobre antes e depois da chegada d’A Feiticeira, ainda não tenho informações sobre as publicações deles no Brasil. O segundo volume da trilogia principal foi publicado este mês como o título A Herdeira das Sombras, e pretendo resenhá-lo para vocês semana que vem. Não quero perder o pique com essa trilogia incrível!

Beijos, May.

Banner 468x60 Filha de Sangue