Desafios e Metas 2019

12 Meses de Romances de Época | Janeiro

Olá, leitores!

Para os que acharam que estava muito fácil, foi proposital pegar bem leve no primeiro mês do desafio 12 Meses de Romances de Época. Vocês estão cientes do meu terrível histórico com metas e desafios, não consigo terminá-los e sempre desisto no início. Quem acompanha o Instagram sabe que consegui sobreviver ao mês janeiro e isso merece uma salva de palmas, estou começando a achar que vou concluir o desafio.

Continue lendo “12 Meses de Romances de Época | Janeiro”

Indicações

Então é Natal, e o que você leu?

Feliz Natal, leitores!

Nosso Blogmas acabou, mas temos o dever cívico de presenteá-los com mais algumas indicações natalinas. Afinal, Natal é um troço que só acontece uma vez no ano e é bom dar uma investida em histórias que tenham essa temática para ir entrando no clima. Pensando nisso, eu selecionei três livros curtos, lindos e românticos bem água com açúcar para ler antes, durante e depois do Natal. E, sim, eu ‘acabei de terminar’ o último deles agora…

Continue lendo “Então é Natal, e o que você leu?”

Eventos

#JulhoDeÉpoca | Os destaques do 5º Encontro Nacional de Fãs Romances de Época Arqueiro

Olá, ladies e lords!

Esta postagem está recheada de Romances de Época, SIM! Por que amamos Romances de Época? Também ❤ Além do meu, do seu, do nosso amor por Romances de Época, este ano aconteceu a 5ª edição do meu evento favorito da vida: Encontro Nacional de Fãs Romances de Época Arqueiro. Fico até emocionada, vocês não têm ideia (ou têm) de quantas coisas maravilhosas vieram do convite de mediar este evento cinco anos atrás. Continue lendo “#JulhoDeÉpoca | Os destaques do 5º Encontro Nacional de Fãs Romances de Época Arqueiro”

Resenhas

Uma noite inesquecível, de Lisa Kleypas

Queridos leitores,

Ao escrever a resenha de Escândalos na primavera — quarto e último volume da série As quatro estações do amor , de Lisa Kleypas, devo ter apagado da minha mente que a editora Arqueiro iria publicar o conto de Natal da série. Não sei bem se foi um esquecimento ou se preferi não comentar, já que eu não sabia se iriam publicar só em e-book ou se também iria sair impresso. Para o bem da minha coleção, eles publicaram um linda edição impressa. E é sobre este conto/livro que vou ‘tentar’ falar hoje… Continue lendo “Uma noite inesquecível, de Lisa Kleypas”

Diário de Leitura

Diário de Leitura #02: pensando…

Olá, leitores!

Chegando um pouco tarde com o ‘Diário de Leitura’ da segunda semana de maio, mas o que vale é a intenção. Mentira! O que vale mesmo são as leituras maravilhosas que fiz e que indicarei neste post para vocês, sendo requerido um certo preparo psico-emocional. Venham de mente e coração abertos, as leituras dessa semana mexeram comigo de um jeito bom e espero que inspire vocês a dar uma chance. Continue lendo “Diário de Leitura #02: pensando…”

Resenhas

A redenção: relacionamentos abusivos e violência doméstica

Olá, leitores!

Adoro quando uma das minhas leituras despretensiosas se revela promissora, ainda mais quando é de uma autora que eu gosto muito. Eu posso gostar mesmo dos Romances de Época da Lisa Kleypas, mas eu não sabia que ela poderia ser tão incrível até eu começar a ler os livros contemporâneos dela. O clima vai ser pesado, mas sempre para evidenciar uma discussão importante. Não é através da leitura que entramos em contato com realidades diferentes? Continue lendo “A redenção: relacionamentos abusivos e violência doméstica”

Resenhas

Escândalos na primavera, de Lisa Kleypas

Olá, leitores!

Mais uma série de Romance de Época publicada pela Editora Arqueiro chega ao fim… Bate uma tristeza, né? Lisa Kleypas foi a autora que fez eu me apaixonar pelo gênero, seus personagens, tão longe do comum, me encantaram. Não só libertinos e solteironas percorrem as páginas de seus romances, mas também os sedutores ciganos, os escandalosos homens de negócio, os excêntricos americanos, os detetives de Bow Street e, para não desmerecer lorde Westcliff, os nobres arrogantes. O único alívio para o meu coração é que a editora publicará outras séries da autora, mas qual será a próxima? Isso me deixa aflita! Continue lendo “Escândalos na primavera, de Lisa Kleypas”

TAGS

|TAG| Cardápio Literário + 3 mistério

Olá!

Chegou minha vez de responder uma tag e, como eu poderia escolher, escolhi algo relacionado ao meu segundo grande amor: COMIDA! Eu sou do tipo que vive com fome, que ama comer doces e beliscar a comida antes da refeição. A única coisa que faz eu esquecer a minha vontade louca de mastigar são os livros. Por que não unir esses dois amores?

A tag foi criada pela fofa da Jessica Mendes, do blog Valeu a pena esperar, em parceria com  Alexia Oliveira, do blog Meninas Quase Invisíveis. Sobre a tag:

A TAG Cardápio Literário surgiu da ideia de fazermos algo que fosse mais amplo, que envolvesse algo do dia a dia e que fosse fácil de associar aos livros e que fosse criativa. A TAG está dividida em 4 partes: Bebidas, Comidas, Doces e uma Extra; e cada parte possui 4 opções (ou seja, é uma TAG longa porém muito divertida que pode ser postada no blog como uma lista, com fotos ou até mesmo vídeo).

P.S.: Vou tentar responder com as minhas leituras mais atuais.

Bebidas

Chá: Aquele livro que é leve e calmo, ou que te deu sono.

SAMSUNG CSC

Começar com um romance de época, já que tenho lido muitos do gênero, e um até mais leve que o normal. The Scandalous, Dissolute, No-Good Mr. Wright é uma história curta sobre a filha de um nobre que cometeu algum erro na adolescência ao ponto de só poder ser apresentada à sociedade depois que suas três irmãs mais velhas casem.  o envolvimento desta com, é claro, um notório libertino. Não há grandes crises nem segredos, mas é um livro divertido da Tessa Dare, uma escritora que eu fiquei apegada depois de ler a série Spindle Cove que é excelente.

Café: Aquele livro que não te deixou dormir.

Café

The Madness of Lord Ian Mackenzie, de Jennifer Ashley, foi a minha mais recente insônia. Livro indicado pela Maraíse, do blog Menina da Bahia, conta a estória de Ian Mackenzie, um excêntrico nobre. Ian passou muitos anos no sanatório, ele é introvertido, centrado, perfeccionista e consegue fazer coisas absurdas, quase sobre-humanas, mas um homem muito incompreendido. E também temos Beth, uma viúva pobre que de um dia pro outro ganhou uma herança. Ela é uma mulher que quer estabilidade e segurança, e para isso ela espera se casar logo, mas Ian a salva de um vigarista e logo em seguida a pede em compromisso. A melhor coisa desse livro é ver como a mente do Ian funciona, como o fato de ele não conseguir entender dualidades. O fato de ele não conseguir mentir, não conseguir ler as pessoas ou como ele se distrai com uma gota de tinta. Em suma, Lord Ian Mackenzie é autista, mas em momento algum é dito isso no livro. Como o termo ainda não tinha sido cunhado, ele é tido como louco e o apoio de Beth é indispensável na aceitação que ele tem de si.

Cachaça: Aquele livro que te deixou de ressaca.

SAMSUNG CSC

A herdeira, de Kiera Cass, ressaca braba que esse livro me deu foi por toda a conspiração que eu ficava imaginando. Sério! Muitas conspirações. Kile é um anarquista! Abaixo a monarquia!

Água: Aquele livro que foi neutro, sem muita emoção.

Louca por Você, A. C. Meyer

Louca por vocês, de A.C. Meyer, foi tão água com açucar que me decepcionou. Eu esperava muito mais desse livro. Tá okay que na maioria das vezes a garota é irritante, o caro é um machista enrustido e tem um drama meio bobo de fundo, mas nem os personagens secundários eram interessantes. Cara, a mina tinha um amigo gay com todas as letras e atitude e nem isso deixou o livro divertido!

comidas

Comida da Mamãe: Aquele livro que não se compara a nenhum outro.

Tabuleiro dos Deuses, Richelle Meed

Eu li muitos livro bons esse ano, mas eu sou uma eterna apaixonada pelos livro da Richelle Mead. Nem tudo que ela escreve é inovador, diferente e instigante. Quando comecei Tabuleiro dos deuses, esperava que fosse mais um bom livro. Só que, minha gente, que coisa incrível! É diferente do que ela tem escrito todos esses anos, ao ponto de eu nem acreditar que seja dela. E é tão bom, tão complexo. Alimenta esse meu lado que adora e aprecia a criatividade humana, aprecia autores geniais. Nesse livro ela vai brincar com a religião, várias religiões de vários períodos de tempo e até criar novas, em uma época futura onde a adoração a ícones precisa de aprovação do governo. Tal governo ver que o Declínio, um período escuro na História, foi ocasionado pela manipulação biológica, a religião e o separatismo cultural. Os deuses foram afastados da terra, expulsos e relegados a serem nada mais que misticismo sem importância, mas ao fundo vemos que os deuses estão retornando e há um pressagio de guerra entre vários panteões.

Especialidade do Chef: Aquele livro bom, bonito e caro.

O Chamado do Cuco, Robert Galbraith |J. K. Rowling|

Ele não foi tão caro, mas eu adoro essa edição de capa-dura. Além de que adoro as cores na capa e acho o conteúdo Ok.

*resenha

Beira de estrada: Aquele livro que não te fez bem.

O Inferno de Gabriel - Sylvain Reynard

O inferno de Gabriel é um livro bom, até acho que ele tem características incríveis. Porém, são essas mesmas características que me deixaram com um gosto ruim na boca. O romance desse livro é muito embasado, o livro todo é cheio de referências clássicas. Referências que me deixaram boiando mais da metade do livro! Em contra partida, é um livro que me acrescentou bastante coisa. Um livro que me levou a investigar e não simplesmente passar por cima, mas ainda acho que tem muita coisa nele que eu não consegui captar.

*resenha

Fast-food: Aquele livro que todo mundo gosta mas nem sempre é bom.

Vou fazer uma lista básica, mas não quer dizer que eu não goste dos livros.

  1. Cinquenta tons de cinza (E.L. James de escritora tem nada);
  2. Crepúsculo (Stephanie Meyer cuspiu um dicionário); e,
  3. After (sem estrutura).

Como eu disse antes, não quer dizer que eu não goste, mas que são muito mal escritos.

doces

Torta: Aquele livro que possui uma capa bonita mas nem sempre um bom conteúdo.

81e+nzgxWkL._SL1500_

Pra mim, O circo da noite tem uma das capas mais lindas que já vi, mas de conteúdo… Faz anos que comprei o livro e foi pela capa, a estória parecia muito boa também, mas foi super decepcionante. Nunca consegui terminar esse livro.

Trufa: Aquele livro pequeno que te surpreendeu.

Half Lies é tipo um 0.5 da série Half Bad, eu terminei e não pude acreditar que tinha acontecido aquilo mesmo. Quando caiu a ficha foi impossível de segurar as lágrimas, parecia que alguém que eu amo tivesse morrido. Essa é uma das qualidades da Sally Green, ela te deixa tão envolvido que é impossível não ter uma reação profunda.

*resenha

Mousse: Aquele livro extremamente doce.

Aristóteles e Dante descobrem os segredos do universo, Benjamin Alire Sáenz

Aristóteles e Dante descobrem os segredos do universo não é um livro enjoativo, ele é como o melhor mousse de chocolate belga que você vai comer na sua vida. Ele está na medida certa para fazer o leitor se apaixonar e nunca mais esquecer. É meu amor pelo Ari e o Dante que torna esse livro tão doce.

Bis: Aquele livro com gosto de quero mais.

Segredos de uma noite de verão

Estou me segurando para não ler o resto da série, o próximo é só em janeiro, mas toda vez que olho pra ele penso em adiantar a leitura da série em ebook mesmo…

*resenhado

EXTRA

Fruta: Aquele livro que faz bem mas nem todo mundo quer.

Selva de gafanhotos banner resenha

Vamos parar com o preconceito literário e ler de uma vez Selva de Gafanhotos. Ri faz bem pra alma, ménage e fim do mundo também!

*resenhado

E aí, gostaram? Eu indico o Ademar, do blog Cooltural, que é um exímio cozinheiro. Responda você também, no seu blog ou nos comentários mesmo. Se você tem o problema de gordice literária, sinta-se acolhido!

Beijos, May.

Resenhas

|RESENHA| Segredos de uma noite de verão, de Lisa Kleypas

Segredos de uma noite de verão

Olá,

Para quem não sabe, Lisa Kleypas é minha rainha dos Romances de Época publicados pela editora Arqueiro — vamos tirar Loretta Chase da equação, ainda não vi todo o poder dessa escritora para poder colocá-la no lugar mais alto do pódio. No ano passado, quando recebi o convite da Editora Arqueiro para ser mediadora, eu tive o prazer de ler tudo do gênero que a editora tinha publicado até então. E, eu não me canso de repetir isso, Os Hathaways se tornou de cara a minha favorita. Imagina como eu fiquei feliz de que a editora publicaria a série As quatro estações do amor, estórias antecedentes aos acontecimentos em Os Hathaways, e eu nem podia me segurar de tanta ansiedade. Agora estou ansiosa é pela continuação e por mais jogos de ¹rounders de ²calças curtas!

“- Eu nunca tinha pensado em uma caça a marido como um esporte de equipe.”

-Annabelle, p.24

Annabelle PeytonLilian e Daisy Bowman e Evangeline Jenner passaram toda a temporada de 1843 levando chá de cadeira, não é a primeira temporada de nenhuma delas e nem a primeira em que elas passaram exatamente do mesmo jeito. Alguns poderiam dizer que elas cansaram de fingir não estarem chateadas por não serem chamadas para dançar ou que seu estado deplorável de solteirice iminente pode ter sido o estopim para que elas finalmente se falassem e acabassem se unindo em esquema de caça a marido. Um esquema em que vale qualquer coisa para ajudar umas às outras a encontrarem um bom marido que se encaixe em suas muitas exigências.

Para Annabelle Peyton arranjar um marido deveria ser fácil, ela é uma mulher de grande beleza e muito bem-educada, mas sua família está beirando a falência. Sem um dote e prestes a completar 25 anos, a situação dela é desesperadora. Desesperadora ao ponto de sua mãe ter que se submeter à “caridade” de um amigo de seu falecido pai, mas não desesperadora o suficiente para Annabelle aceitar os convites para se tornar amante de alguns lordes, que não veem a hora de conseguirem meter as mãos nela em troca de suas “assistências”, ou aceitar as investidas persistentes do Sr. Simon Hunt.

Annabelle quer se casar com um nobre rico. Ter um título definirá as festas para as quais ela será convidada, a escola que os filhos frequentarão, as amizades que ela terá. O que Annabelle não que enxergar, assim como muitos nobres, é que o mundo ao seu redor está se modificando. A era dos nobres está em derrocada, pouco a pouco as fortunas familiares estão desaparecendo, os nobres se prendem aos velhos vícios e não querem correr riscos. É neste momento que um novo grupo está acendendo rápido e acumulando poder e riqueza tanto na Europa quanto nas Américas: os empresários envolvidos na Revolução Industrial. Pessoal como Simon Hunt, que tem milhares de investimentos, assim como uma linha de montagem de trens na Inglaterra.

Simon é bonito, charmoso e tão rico que é impressionante, mas ele não tem um título. Longe disso, Simon é filho de uma família de açougueiros simples que leva uma vida cômoda. É claro que ele tinha que ser rebelde e não seguir a profissão de seu pai assim como seus irmãos, ele queria mais e aos poucos encontrou seu caminho. Mesmo que ele transite em algumas festas da Sociedade, ele de forma alguma consegue se misturar. Falta uma certa educação, uma insensibilidade e um ar entediado, que só vêm das pessoas de berço. Porém, Simon é detentor de uma arrogância cômica e um charme que atrai Annabelle.

Aí você pode pensar que As solteironas, apelido carinhoso do grupo caça-marido, iriam pegar o caminho mais fácil e tentar fisgar Simon para Annabelle. Só que Simon é tão inadequado para os padrões que tentar mantê-lo afastado de Annabelle se torna um trabalho secundário enquanto a própria tenta sua última oportunidade de conseguir um bom casamento com um lorde, mesmo que o suposto pretendente não seja seu marido ideal. Enquanto Annabelle atira sua última carta, Simon vai assistir tudo de camarote e ainda rir das desventuras das mulheres. Mesmo que ele queira Annabelle, ele irá deixá-la cortejar seu pretendente, mas não espere que ele não vá fazer suas próprias armações para ficar sozinho com Annabelle nesse meio tempo e tirar uma casquinha.

Uma das características que eu adoro na Lisa Kleypas é que ela consegue criar mocinhos anticonvencionais para o século XIX e ainda manter todo o charme que um Romance de Época precisa ter e, ainda por cima, as protagonistas sempre tem um quê feminista. Além disso, a autora conseguiu criar um laço de verdadeira amizade entre as mulheres, cada cena que elas se reuniam era diversão na certa e uma boa dose de comprometimento com a causa. Segredos de uma noite de verão é um livro engraçado e com um casal com medidas perfeitas, a série começou muito bem. Era uma vez no outono, segundo volume, tem previsão de lançamento para janeiro. Ainda não inventaram a máquina do tempo?!


Segredos de uma noite de verão

Ficha técnica

Título: Segredos de uma noite de verão (As Quatro Estações do Amor #1)

Autor (a): Lisa Kleypas

Editora: Arqueiro

Páginas: 285

Ano: 2015

Sinopse:

“Um romance excelente”. – Publishers Weekly

Apesar de sua beleza e de seus modos encantadores, Annabelle Peyton nunca foi tirada para dançar nos eventos da sociedade londrina. Como qualquer moça de sua idade, ela mantém as esperanças de encontrar alguém, mas, sem um dote para oferecer e vendo a família em situação difícil, amor é um luxo ao qual não pode se dar.

Certa noite, em um dos bailes da temporada, conhece outras três moças também cansadas de ver o tempo passar sem ninguém para dividir sua vida. Juntas, as quatro dão início a um plano: usar todo o seu charme e sua astúcia feminina para encontrar um marido para cada, começando por Annabelle.

No entanto, o admirador mais intrigante e persistente de Annabelle, o rico e poderoso Simon Hunt, não parece ter interesse em levá-la ao altar – apenas a prazeres irresistíveis em seu quarto. A jovem está decidida a rejeitar essa proposta, só que é cada vez mais difícil resistir à sedução do rapaz.

As amigas se esforçam para encontrar um pretendente mais apropriado para ela. Mas a tarefa se complica depois que, numa noite de verão, Annabelle se entrega aos beijos tentadores de Simon… e descobre que o amor é um jogo perigoso.

No primeiro livro da série As Quatro Estações do Amor, Annabelle sai em busca de um marido, mas encontra amizades verdadeiras e desejos intensos que ela jamais poderia imaginar.


Então é isso por hoje, até mais!

Beijos, May

¹rounders – antecessor do Basebol jogado no séc. XIX

²calças curtas – roupa debaixo

Eventos, Lançamentos, Livros, Resenhas

|RESENHA| O príncipe dos canalhas, de Loretta Chase

SAMSUNG CSC

Caros leitores¹,

Gostaria de informá-los que esta resenha segue o padrão de nossa querida protagonista, Jessica “Jess” Trent, e está recheado de impropérios, segundo Dain “lorde Belzebu”, contra o intelecto masculino. Senhores, não se sintam ofendidos. Não mais do que sua pobre lógica possa elucidar…

Com carinho,

Lady Tashiro

_______________

¹ É interessante que ao indicar esta nota, também nós mulheres devemos subjugar-nos a um substantivo masculino para generalização, isso somente comprova que esta regra foi lamentavelmente criada por um homem com problemas de ego.


Não pense que esta é uma estória comum, uma estória onde os cavalheiros se assemelham a príncipes e as senhoritas são damas recatadas, à espera da oportunidade de preencher seus cartões de dança. Nem que há uma sincronia perfeita entre o casal protagonista e que seu felizes para sempre acontece no momento em que dizem “eu aceito” na igreja. Sinceramente, que graça há nisso? Cadê a emoção? O sangue, o suor e as lágrimas? E, principalmente, a diversão?

Em maio de 1795, nasceu Sebastian Ballister, marquês de Dain, filho de um nobre com uns oito nomes e de mãe italiana. Sebastian era visivelmente parecido com a linhagem de sua mãe – a única prova de que era mesmo filho de seu pai é um sinal de nascença em uma das nádegas –, mas seu pai pode jurar que o menino é a cria do diabo. Além das feições italianas, Sebastian também herdara o temperamento explosivo. Sempre fora rejeitado por seu pai, e até os oito anos recebera o pouco carinho de sua mãe como se fossem presentes de Natal. Além do fato de que sua aparência lhe rendera muita humilhação quando passou a estudar; comparações e apelidos que o seguiram até a vida adulta.

“Ele se levantou e tocou a sineta, e um dos lacaios levou o garoto dali. Mesmo com a porta do escritório fechada, mesmo quando descia rapidamente as escadas, os gritos na cabeça de Sebastian não paravam. Ele tentou tampar os ouvidos, mas a gritaria continuou, e tudo o que conseguiu fazer foi abrir a boca e soltar um berro longo e terrível.”

— Sebastian “Dain” Ballister

Bem, você achou que ele seria um ser reprimido? Okay, vamos dizer que ele tem um pequeno problema que eu apelidei d’A Síndrome do Patinho Feio. Porém, Sebastian de modo algum aparenta ser um homem fraco. Ele crescera e aprendera a conviver com a repulsa das pessoas, a lidar com o fato de que possui a aparência do demônio em pessoa: alto demais, ombros largos demais, pele com um tom escuro e um nariz grande (que por tudo ser grande deve se encaixar perfeitamente na minha concepção). Sem poder contar com o pai, ele aprendera cedo a lidar com os negócios e fazer seu dinheiro se multiplicar. Também aprendera como ganhar jogos de azar, contratar prostitutas, beber até cair e a participar de festas escandalosas com seus amigos. E ele adora sua vida depravada e quer continuar assim, mas um dia ele conhece uma mulher que pode fazê-lo ajoelhar e implorar…

“Aquela criatura linda e louca – ou cega e surda – anunciara isso com a mesma frieza com a qual alguém pedia para passar o saleiro, e sem perceber que o eixo da Terra havia acabado de virar de cabeça para baixo.”

— Dain

Jessica Trent é uma mulher inteligente, bonita e divertida, além de uma excelente atiradora. Mesmo aos 27 anos e ainda solteira, poucos a chamariam de solteirona. Pretendentes não lhe faltam, mas para os padrões de Jess não há nenhum que se encaixe. Jess é uma mulher muito à frente de seu tempo, compreensiva – até demais – que os homens realmente necessitam de álcool e prostitutas, do mesmo modo que os animais devem caçar para comer. Não há tabus, peças de arte indecorosas e nem propostas que possam lhe causar rubor. Não o rubor da timidez, mas há um homem que pode aquecer a face de Jess com a raiva. Principalmente, quando esse homem está acabando com a vida do paspalho do irmão dela com sua má influência. E este homem, lorde Dain, não poderia ser baixo e gordo, tinha que ser um deus romano em carne e osso.

“— Você não devia usar esse charme masculino – disse ela, com a voz sufocada. E tocou na manga da camisa dele. — O que eu fiz de tão imperdoável?”

— Jessica “Jess” Trent

É óbvio que assim que eles se conhecem há uma química entre ambos, mesmo com a língua afiada de Jess. Enfeitiçado por sua beleza e inteligência, Sebastian se vê criando situações para poder vê-la. E, como uma bala, aquele fascínio se torna obsessão de ambos os lados começando um jogo de vingança entre os dois que os levará para a única coisa que nenhum deles quer: o casamento e a perda de suas independências. Os insultos de Jess se tornam uma grande chave para o nosso divertimento na estória, assim como Sebastian acrescenta drama com suas inseguranças. O enredo se desenvolve em cima desse casal que vive uma guerra de amor e ódio, insultos, incertezas e cenas avassaladoras. Mas o que fazer quando ambos têm personalidades tão fortes? Quem terá de se curvar? Jess dará a obediência cega que as mulheres devem proporcionar aos seus maridos ou Dain entenderá que a lógica feminina é imbatível?

“(…) Mas você não me escuta! Porque, como todo homem, você só consegue pensar uma coisa de cada vez. E ainda pensa errado.”

— Jess

Loretta Chase vai romper sua mente, e seu coração, e te mostrar que a perfeição está na imperfeição. Porque só uma mulher louca gostaria de ter como marido o príncipe dos canalhas, além de um macho alfa de carteirinha! E só uma mulher inteligente e autoritária poderia fisgar o coração desse verdadeiro cafajeste. E, por fim, o livro foi muito bem escrito, o enredo pode parecer comum, mas não seus personagens, eles dominam esse espetáculo à precisão. Quer apostar comigo que você irá amar?


Aos senhores que se sentiram insultados e querem defender a honra masculina, 

Convido a todos para o Encontro de Romances de Época que acontecerá dia 30 de maio, na Saraiva Manauara Shopping, às 15h.

Atenciosamente,

May.


P.S.:Gostaria de agradecer a editora Arqueiro por ter disponibilizado a prova deste livro. Vocês são demais! O livro lança em maio, meninas!